terça-feira, 13 de julho de 2010

O Cristão e a responsabilidade


" Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;" Hebreus 2:3





Desde que fomos chamados por meio da fé para seguir os ensinamentos de Cristo, passamos a entender que a vida cristã deve ser regida pela renúncia dos desejos transitórios assumida pela responsabilidade que é inerente à Salvação.

Embora a salvação e o cristianismo sejam experiências vivenciadas por meio da Graça de Deus e não de obras e méritos humanos, isto não isenta nenhum cristão de assumir as responsabilidades  que  lhes são pertinentes. Ele precisa entender que seus atos são medidos e pesados na balança da Graça.


Sendo a Graça um favor imerecível,  exigirá do cristão, consequentemente, maior responsabilidade  quanto ao seu viver e conduta diante de Deus e do mundo em todos os seus aspectos. Não é pelo fato de Cristo ter pago o preço pela  salvação, que o cristão deve se comportar de qualquer maneira, alheio aos princípios e valores pertencentes a ela. A graça não nos isenta da responsabilidade. A salvação e o viver que recebemos por meio da Graça, das mãos de nosso Senhor Jesus Cristo, requer de cada um de nós cuidados e zelos quanto a este Dom gratuito. Devemos guardar o que temos para que ningém nos roube a coroa (Ap.3.11).

Entretanto, é alarmante o número de cristãos que assumem um comportamento cada vez mais indiferente à fé que um dia receberam. Ao invés de assumirem o compromisso e o zelo desta tão grande salvação, preferem viver de qualquer maneira, alegando sempre o velho engano de  que uma vez salvo, salvo para sempre. Outros, simplesmente,vivem uma vida desregrada embaraçados em todo tipo de pecado, enganos  e sensualidades  e vivem culpando o diabo pelo modo vergonhoso com que vivem. Possuem um cartão de membro de sua igreja, sem contudo atentarem para o significado de pertencerem ao corpo de cristo.

Quando a voz de Deus passeava no Éden a procura de Adão e Eva,  na ocasião em que caíram do plano de Deus, estes acharam mais conveniente culparem um ao outro e, posteriormente, a serpente, do que assumirem as suas faltas de vigilancia e compromisso. Adão dizia: "foi a mulher que o Senhor me deu"...-Ora, além de culpar a mulher estava ele culpando a Deus pelo seu próprio erro. Não seria mais fãcil que ele tivesse assumido o seu erro? Eva, porém,  numa atitude mais ética, mas, não diferente da que assumira Adão, culpou a Serpente: - " a serpente nos enganou"...- Ora, seria mais conveniente culpar a serpente, do que assumirem seus erros.


 De fato, a serpente os havia tentado, porém, eles lhes deram lugar. É por este exemplo que a Bíblia nos aconselha a  resistirmos e não darmos lugar ao Diabo.(Ef. 4.27;Tg.4.7-8).
E assim, concluímos que embora a salvação nos tenha sido dada por meio da Graça,  o fato de  sermos tentados por satanás, a serpente, todos os dias, não pode nos isentar de  nossa responsabilidade quanto  à fé e a Liberdade da Graça que DEle recebemos. Ao ser tentado, não poderá o cristão ceder. E, se ceder não poderá, simplesmente, responder para Deus: - " ah, Senhor , a Serpente me enganou...E o compromisso assumido com Ele?

É preciso orar e vigiar. Honrar a fé e o nome de Jesus. Vivermos a liberdade com que Ele nos comprou, na responsabilidade e compromisso de quem sabe o valor desta Fé.

Tenho dito.
Bendito!


Marizan di carvalho

QUEM LEU?