sábado, 3 de abril de 2010

PERDOAÍ-NOS AS OFENSAS


"Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós;"Mt.6.14


O perdão é um dos assuntos mais comentados dentro cristianismo. Fundamentado nos ensinamentos de Jesus Cristo, que deu origem à Doutrina dos Apóstolos, servindo como norte para a Igreja cristã primitiva até os dias de hoje, o cristianismo se estende no mundo ao longo dos anos, apoiado nas três colunas principais de sua construção: Salvação, arrependimento e perdão. O perdão é o eixo central do cristianismo. A razão do cristianismo se baseia no fato de que Cristo veio ao mundo, como fruto do amor inexplicável e incondicional do Pai, a fim de salvar por meio do perdão, homens arrependidos (Jo.3.16;Fp.2.8).

Embora não seja um assunto específico do cristianismo, pode-se afirmar que grande parte da doutrina fundamental do cristianismo se baseia no perdão. As principais religiões do mundo (islamismo, cristianismo, judaísmo e hinduísmo) encaram este assunto de forma bastante similar, embora no judaísmo é ensinado que a busca do perdão exige um senso sincero de arrependimento, a direta reparação do mal causado a outra pessoa e a atitude de não cometer este erro novamente no futuro. Os pecados e transgressões são parcialmente removidos por meio de orações (que substituíram os sacrifícios de animais da época do Templo Sagrado de Jerusalém) como um modo de expiar os pecados, mas o principal é buscar corrigir o mal feito a outras pessoas (aqui se aplica a lei de restituição). 

O QUE É PERDOAR? 

De acordo com o entendimento que se tem a partir da Bíblia Sagrada (Livro que serve como base e regra para o cristianismo) perdoar é o mesmo que isentar de dívidas. A palavra grega donde traduzimos perdão significa cancelar ou remir e por muitas vezes foi usada no sentido de débito financeiro. 

Desta forma, quem perdoa está cancelando dívidas. Remindo ou pagando a conta de alguém. Para melhor entendermos este assunto, separei em tópicos, com a seguinte sequencia: Perdão vertical e horizontal. Vejamos: 

Perdão vertical 

Este é o perdão que o homem recebe de Deus. O homem deve buscá-lo a despeito de seus pecados para com os mandamentos do Senhor Jesus e a Sua vontade. A única condição exigente é que por meio de um arrependimento sincero este homem, ore a Deus com um coração contrito, creia que o sacrifício de Cristo por meio da Graça é suficiente para perdoá-lo e que, sobretudo, se esforce por não pecar novamente. Contudo, se pecar outra vez, ou vier a contrariar ou infringir algumas de suas ordenanças ou mandamentos, deverá recorrer a Ele imediatamente. (1Jo 1.8; Sl.51.2,10,17 ). 

Deve-se incluir dentro deste contexto, o perdão interior que diz respeito àqueles que não conseguem perdoar a si próprio, como é o caso daqueles que sofreram algum tipo de trauma ou que sofrem de complexo de inferioridade. (Lc. 15.21; Sl. 139.16; Sl. 130.4). 

Perdão Horizontal :

No Evangelho do Senhor Jesus, segundo Lucas, na parábola do Filho Pródigo, são abordadas características importantíssimas da verdadeira natureza do perdão. 

Nenhum texto bíblico exemplifica tão bem o perdão em aspecto geral, como o que é relatado neste Evangelho. Ao relatar a saga do filho pródigo, que pede ao seu pai parte de seus bens a fim de partir para uma terra distante, vindo a desperdiçar toda sua fortuna, o que o levou a padecer extrema necessidade, como conseqüência desse pecado, chega o momento em que ele se arrepende e volta ao lar. Ao retornar à sua casa para o seio do pai, ao invés de receber punições e sermões ele recebe um caloroso abraço que lhe prepara uma festa ao invés de uma prisão. Assim, podemos afirmar que tanto o perdão vertical, quanto o horizontal, se dá de forma de forma espontânea. Perdão Horizontal é aquele que se dá na esfera de nossos relacionamentos para com o próximo, seja na estrutura familiar ou social. 

Muitos ao fazerem a oração do Pai Nosso, modelo de oração ensinado por Jesus aos seus discípulos, que conseqüentemente se tornou universal em algumas religiões e seguimentos da doutrina cristã, não atentam para o fato de que há um verso na referida oração, que diz: perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. Logo, fica claro no modelo de oração ensinado por Jesus, que o perdão horizontal (relacionamentos com o próximo) gera o perdão vertical ( relacionamento do homem interior ou espiritual com Deus). Assim, perdão é um princípio de reciprocidade, de ação voluntária e espontânea, cujo benefício é de via dupla. Perdou e logo sou perdoado.

Assim, se você ainda não orou hoje, é bom que perdoe primeiro. Que carregue em seu coração apenas o amor de Cristo, que é capaz de curar qualquer ofensa. Viva a Lei do amor, que é perfeita, se esforçando para ter paz com todos os homens, naquilo que depender de você. 

A lei do perdão é o amor. Ame e assim, se esforçarás para não ofender. Ame e se ofendido for, superarás as fraquezas de quem o ofendeu. Se esforce em ter um coração livre de mágoas para amar e adorar a Deus. É perdoando que somos perdoados! 

Tenho dito, bendito.

Marizan di carvalho

2 comentários:

  1. o tema é de uma importância incomensurável, e a forma como você expôe o conteúdo, facilita-nos a compreender a relevância de liberar o perdão. logo, contribui substâncialmente a nossa vida espiritual.

    BETO CHAVES

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela deferência, companheiro Beto Chaves..abraço

    ResponderExcluir

QUEM LEU?